14 de outubro de 2012

6 de outubro de 2012

A história de Jocko Flocko

Jocko Flocko era um macaco da espécie Rhesus, foi o único "co-piloto" da história da NASCAR e correu ao lado do bicampeão Tim Flock.

Tim Flock e Jocko Flocko

Em 1953, Hudson Chester, chefe de equipe de Tim Flock estava passeando em Atlanta. Ao visitar uma loja de animais, viu um macaquinho em uma gaiola. Do lado de fora, havia um papel com o nome de seu ocupante: "Jocko".

Chester logo criou um golpe publicitário, para chamar a atenção. Comprou o macaco e deu a ele um uniforme, um capacete e um assento próprio, alto o suficiente para que Jocko pudesse ver pela janela. Também rebatizou-o como "Jocko Flocko", uma associação com o sobrenome de Tim.

Chester e Flock não sabiam como os dirigentes da NASCAR responderia à idéia e resolveram manter segredo.  A primeira corrida dos dois aconteceu em Charlotte, em uma estrada de terra batida. A dupla chegou a liderar, mas perdeu a ponta algumas voltas antes do final. Após a prova, Tim levou o macado para as arquibancadas e o sucesso foi imediato.

Depois, eles terminaram em sexto em Macon, quinto em Langhorne e segundo na Columbia. O auge da carreira de Jocko aconteceu em 16 de maio de 1953, quando ele e Tim venceram em Hickory.

A presença de Jocko também ajudou no lado esportivo. Segundo Tim, no momento de uma ultrapassagem, o adversário se distraia olhando para o símio. Esse momento de desatenção era tudo o que ele precisava para efetuar a manobra.

Em Martinsville, uma mola quebrada não permitiu que eles conseguissem nada além de um 32 º lugar. Depois, a equipe viajou para Ohio e Tim alugou um quarto de hotel. Ele foi para a pista e deixou Jocko sozinho.


O macaquinho conseguiu escapar de sua gaiola e começou a fazer bagunça na sala. Quando uma arrumadeira entrou no lugar, Jocko pulou nela e começou a puxar seu cabelo. A pobre empregada saiu gritando pelos corredores e o resultado foi que o time todo foi expulso do hotel e tiveram que dormir nos carros mesmo. No dia seguinte,  Tim e Jocko não tiveram mais sorte, pois terminaram a corrida em um modesto 22 º lugar. 

Jocko se aposentou alguns dias mais tarde, em Raleigh. Naquela época, os carros da NASCAR possuiam uma espécie de alçapão no assoalho que, ao ser levantado, servia para verificar o desgaste dos pneus. Durante a corrida, Jocko se soltou de sua cadeira, levantou a porta, enfiou a cabeça pelo buraco e ficou doido! Segundo Flock, o macaco não parava de pular, gritar, arranhá-lo, subir em cima dele e pisoteá-lo. Tudo isso a 160 Km/h e em uma pista de uma milha!

Foi preciso fazer um pit-stop apenas para retirar o macaco lá de dentro e Tim terminou em terceiro lugar, em vez de segundo. No fim, Jocko acabou sendo acolhido pela família Flock, e nunca mais entrou em um carro de corridas.


 Jocko passeando antes de uma corrida. O número 91 em suas costas era o mesmo do carro.

4 de outubro de 2012

O Maior Brasileiro de todos os Tempos

O Maior Brasileiro de Todos os Tempos é um programa de televisão exibido pelo SBT, que deveria "eleger aquele que fez mais pela nação e que se destacou por seu legado à sociedade". Meu voto, desde o começo, foi para o grande Santos Dumont.

Após alguns meses de votação, foram selecionadas cem personalidades, das milhares indicadas pelo público. Dali, saíram os 12 finalistas: Ayrton Senna, Chico Xavier, FHC, Getúlio Vargas, Irmã Dulce, Juscelino Kubitschek, Lula, Oscar Niemeyer, Pelé, Princesa Isabel, Santos Dumont e Tiradentes.

Ayrton Senna

A partir daí, os candidatos se enfrentaram em uma espécie de mata-mata: Chico Xavier, Senna, Santos Dumont, Juscelino, Princesa Isabel e Vargas avançaram. Na fase semifinal, Senna perdeu para Chico Xavier, Santos Dumont venceu JK e a Princesa Isabel eliminou Vargas. No final, o médium acabou vencendo a disputa.

Chico Xavier

No Brasil, Senna foi o único piloto citado entre os cem melhores e terminou em 5º lugar. O programa também existe em outros países. Por curiosidade, fui pesquisar pela posição de pilotos ou outras pessoas de Formula 1:

África do Sul: Jody Scheckter terminou em 90º lugar.

Alemanha: Michael Schumacher foi o 26º, Frentzen o 59ºe Ralf Schumacher o 133º (Vettel não apareceu).

Argentina: a votação era dividida em grupos (personalidades históricas, artistas, cientistas e esportistas). Fangio ficou em 2º e Carlos Reutemann em 19º.

Bélgica: Jacky Ickx foi o 31º.

Espanha: Fernando Alonso ficou em 20º lugar.

Finlândia: Mika Häkkinen ficou em 32º.

Itália: Enzo Ferrari ficou em 26º.

Japão: Ayrton Senna (!?) foi o 22º.

Nova-Zelândia: Denny Hulme foi 99º.